Skip to content

WCAG 2.0 e algumas observações

28 de abril de 2009

Estou no grupo Acesso Digital, lá vejo coisas bem interessantes quanto a acessibilidade na web.
Presenciei uma discussão sobre o WCAG 2.0 e alguns “furos” sobre ele. Um amigo do grupo teve dúvidas em relação alguns itens do WCAG 2.0, e nosso amigo MAQ (Marco Antonio Queiroz), grande mago da acessibilidade, deu sua opinião, achei bem bacana essa discussão no grupo.

Aqui estão alguns regras para o WCAG 2.0, e abaixo as opiniões do MAQ que achei bem válidas:

2.4.4 Finalidade do Link (Em Contexto): A finalidade de cada link pode
ser determinada a partir apenas do texto do link ou a partir do texto
do link juntamente com o respectivo contexto do link determinado de
forma programática, exceto quando a finalidade do link for ambígua
para os usuários em geral. (Nível A)

MAQ – Um clique aqui ou saiba mais tem SEMPRE uma finalidade indeterminada por sua
expressão. Eles só existem dentro de um contexto, pois ninguém “clica ali”
caso não saiba onde está e para que está clicando. A única coisa que poderia
“pegar” seria o conceito de “para as pessoas em geral”, pois as pessoas em
geral, com excessão dos cegos, quando navegam vendo a tela conhecem o
contexto. Pois bem, como eles estão fazendo acessibilidade também para
pessoas cegas, acredito que entre “as pessoas em geral” estejam as pessoas
cegas. Portanto, se pessoas cegas não podem perceber sentido no texto de um
link “Clique aqui” sem sair do link para saber em que vai clicar, o texto do
2.0 se transformaria e teria sentido. A ambiguidade, na verdade, nem
existiria, o que existe é mesmo a indefinição. A questão real é: quem vai
incluir as pessoas cegas na expressão “para as pessoas em geral”? Eu juro
que cegos também são gente, também juro que são pessoas, mas a generalidade
e a inclusão de pessoas cegas entre pessoas em geral é que é duvidosa. Será
que eles pensaram em público alvo e acharam que em algumas circunstâncias o
texto do link fora de contexto seria completo? Não acredito que eles tenham
sido tão ingênuos ou desconhecedores da realidade. Na verdade, acredito que
alguns links possuam sentido dentro de qualquer contexto e seja a isso que
ele se refere. Por exemplo: “contato”, “Home”, (eu prefiro Muié), Quem somos
etc. Acredito também que o clique aqui e o saiba mais esteja contemplados
nesse item quando ele diz que, se o texto do link perder o sentido, que ele
deve vir acompanhado do contexto do link, tipo: Saiba mais sobre o decreto
5296. De qualquer forma, eles precisam aprender a escrever, já que, desde
1999 eles ainda não entenderam como fazer isso!

2.4.9 Finalidade do Link (Apenas o Link): Está disponível um mecanismo
para permitir que a finalidade de cada link seja identificada a partir
apenas do texto do link, exceto quando a finalidade do link for
ambígua para os usuários em geral. (Nível AAA)

MAQ – Acredito que aqui eles deviam estar ameaçados de morte pelos adoradores do
saiba mais, unidos aos adoradores do “Veja mais” e ainda do Clique aqui, ou
ainda do “não clique aqui, não saiba mais e não veja nada, já que isso é
comum em você”. Entretanto, vamos dar um crédito aos caras… Quem sabe eles
não estavam pensando em mudar o texto do 1.0 quando este dizia que para
diferenciar um link de outro com mesmo texto, poderia colocar nos links um
atributo title e o caso estaria resolvido? Só se esqueceram que a maioria
dos leitores de tela do mundo não lêem title e que, o único que lê, o
brasileiro Virtual Vision, o faz por defeito, pois apesar de ler o title do
link não lê o texto do link quando o title existe. Talvez ainda estivessem
pensando em colocar um span com uma class para fora da tela, dando
continuidade ao texto do link e chamando isso de mecanismo, o que nós
chamaríamos do maior quebra galho da história oficial e a de por baixo dos
panos.

Achei bem bacana as opiniões dele porque realmente acho que muitos desenvolvedores, designers, redatores, irão achar que realmente pode ter algum contexto para usar o “Saiba Mais” , “Clique aqui” , “Veja mais” .. Continuando não incluindo os deficientes visuais na questão da acessibilidade.

Tenho receio quanto ao seguidores do W3C acharem que acessibilidade é só seguir o WCAG.
Na verdade acessibilidade em um site é algo a ser aprimorado junto com as novas tecnologias e não somente seguir alguns padrões, precisamos de ter as novas tecnologias acessíveis a todos.

Me aprimorarei num estudo mais completo sobre WCAG 2.0 e postarei aqui para tirar eventuais dúvidas.

No comments yet

Deixe uma resposta

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s

%d blogueiros gostam disto: